Jorge Armando Ndlozy

Performer

Jorge Armando Ndlozy é um dançarino de Moçambique formado em dança tradicional e contemporânea. Toca a timbila, instrumento tradicional moçambicano declarado patrimônio oral e imaterial da humanidade pela ONU, e diversos tambores.

Estudou com coreógrafos internacionais como George Kumalu, Thomas Auers, David e Máte Zamborano, Boy Zei Tsekuana, Daisy Renzy, Sofisso, Kudos, Francesco Camacho e Luis Filipe e aprimorou sua formação em residências na Culturarte Moçambique, na escola PARTS (Bélgica) e no Mark Theater (África do Sul).

Integrou as companhias Cultuarte, Tingoma to Tsamba, Nhacatandewa e, durante 14 anos, a Companhia Municipal de Canto e Dança da Matola. Nesses grupos atuou também como professor, além de aplicar seu conhecimento em dança em projetos dirigidos a pessoas com necessidades especiais. Como coreógrafo criou obras como Falando de mim, Em camadas, Dois por um, O Peixe, entre outros. Apresentou seu trabalho em festivais e projetos da África do Sul, Alemanha, Bélgica, França, Líbia, Madagascar, Nigeria, Portugal, Swazilândia e Tunísia.

Sob direção de Maura Baiocchi atuou em Xiphamanine – lugar do eterno originar da árvore mphma por ocasião do intercâmbio cultural Matola-Brasil. Atualmente, como convidado da Taanteatro Companhia, participa de 1001 Platôs, espetáculo que integra o projeto Taanteatro 25 Anos contemplado pelo Programa Municipal de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo.

Em 2018 protagoniza o solo Mensagens de Moçambique apresentado na Funarte SP e no CRDSP.